Blog Widget by LinkWithin

2017-11-23

Saudades - Francisco Manuel de Melo


Serei eu alguma hora tão ditoso,
Que os cabelos, que amor laços fazia,
Por prémio de o esperar, veja algum dia
Soltos ao brando vento buliçoso?

Verei os olhos, donde o sol formoso
As portas da manhã mais cedo abria,
Mas, em chegando a vê-los, se partia
Ou cego, ou lisonjeiro, ou temeroso?

Verei a limpa testa, a quem a Aurora
Graça sempre pediu? E os brancos dentes,
por quem trocara as pérolas que chora?

Mas que espero de ver dias contentes,
Se para se pagar de gosto uma hora,
Não bastam mil idades diferentes?

In Poemas de Amor, Antologia de poesia portuguesa, Org. de Inês Pedrosa
Lisboa, Dom Quixote, 2001

D. FRANCISCO MANUEL DE MELO nasceu em Lisboa a 23 de novembro de 1608 e morreu em Alcântara, Lisboa a 13 de outubro de 1666

Read More...

Happy Birthday Sierra Skye

Read More...

2017-11-22

Morte Sucessiva - Mauro Mota


Não tenhas medo.
Tudo já aconteceu. Agora
será menos do que a cena final.
Apenas o cair das cortinas,
os dedos fechando as pálpebras antepostas
à derradeira paisagem
longe, cada vez mais longe, diluída quase na incolor distância.
Sentes na boca
o sangue dos princípios e esse gosto
de fim nunca sentido antes.
Não tenhas medo,
tudo já aconteceu. Agora
será somente a conclusão.
Esquece as gravuras do catecismo da infância
nos claros domingos de sinos paroquiais.
O diabo de espeto furando os olhos dos pecadores,
e eles caindo nas caldeiras infernais.
Partiste suave
que nem sentiste quase, mais suave
ainda será daqui a pouco.
Não tenhas medo da viagem sem volta e sem saber para onde
pois várias vezes já habitas lá.
Talvez tenhas perdido a memória
da casa de alpendres da cidadezinha,
o menino debaixo dos cajueiros.
Foi ele quem te deu a primeira
noção de saída do mundo, o primeiro
conhecimento da morte sucessiva e múltipla.
O piano do sobrado de azulejo
e a moça tocando a valsa do mês de maio,
a mãe, a mulher, as rosas
na jarra azul abrindo,
os ponteiros
como uma pinça
extraindo
as horas felizes do relógio da sala,
não se foram sós, foram levando a tua vida fugitiva.
Não tenhas medo
do instante derradeiro,
e que de ti encontrará bem pouco,
criatura dispersa tantas vezes
e tantas vezes morta.
Perdeste a integridade primitiva,
sombra do corpo ausente e do espírito distante,
não tenhas medo,
tudo já aconteceu.

Mauro Ramos da Mota e Albuquerque (nasceu em 16 de agosto de 1911 em Nazaré da Mata, Pernambuco, Brasil; m. Recife, em 22 de novembro de 1984)

Read More...

2017-11-21

Crepuscular - Raul de Leoni



Poente no meu jardim... O olhar profundo
Alongo sobre as árvores vazias,
Essas em cujo espírito infecundo
Soluçam silenciosas agonias.

Assim estéreis, mansas e sombrias,
Sugerem à emoção em que as circundo
Todas as dolorosas utopias
De todos os filósofos do mundo.

Sugerem... Seus destinos são vizinhos:
Ambas, não dando frutos, abrem ninhos
Ao viandante exânime que as olhe.

Ninhos, onde vencida de fadiga,
A alma ingênua dos pássaros se abriga
E a tristeza dos homens se recolhe...

RAUL DE LEÔNI Ramos nasceu a 30 de outubro de 1895 em Petrópolis (RJ) e faleceu a 21 de novembro de 1926 em Itaipava (RJ).

Read More...

2017-11-20

Aqui onde me trouxe o duro fado - Abade de Jazente


Aqui onde me trouxe o duro fado
A passar o melhor da minha idade,
Não tenho mais que a bruta sociedade
De algum tosco vilão que tange o gado.

Tudo o mais é deserto inabitado,
Despenhos, precipícios, soledade,
Que só pode oferecer comodidade
Para algum infeliz desesperado.

Aqui sobre uma penha esmorecido
Fico um dia talvez, e em tal segredo,
Que até nem de mim mesmo sou sentido.

E, então, estupefactos mudo, e quedo
Assi’estou de males aturdido;
Qual junto de um penedo, outro penedo.

in Poemas Portugueses Antologia da Poesia Portuguesa do Séc. XIII ao Séc. XXI; Selecção, organização, introdução e notas Jorge Reis-Sá e Rui Lage, Porto Editora

Abade de Jazente (Paulino António Cabral de Vasconcelos), nasceu em Reguengo, Amarante a 6 de Maio de 1719 e morreu em Amarante a 20 de Novembro de 1789.

Read More...